Categorias
Leia

Estudos para Certificação Cisco Roteadores e Switchs – CCNA – Modulo1 – Parte final

Partes 7,8,9,10 e 11

IPv4 – 32 bits separado por 4 Octetos (8 bits)

Na rede Unicast sempre tem o endereço de rede (mascara), endereço de host(pc), endereço broadcast (mensagens para todos os hosts)

2⁷ 2⁶ 2⁵ 2⁴ 2⁰
128 64 32 16 8 4 2 1

Como o esgotamento do IPv4 e a Internet das coisas surgiu a necessidade do IPv6 – assim surge também a coexistência do IPv4 e IPv6 – empilhamento duplo (fila dupla) – v4 e v6 na mesma rede // Encapsulamento (tunel) – pacotes IPv6 dentro de pacotes IPv4 // Tradução  – o pacote IPv6 é traduzido para um pacote IPv4 e vice-versa

IPv6 tem 128 bits – representado em forma hexadecimal – 8 hexteto – 4 dígitos hexadecimal

Unicast IPv6 mesma coisa que no IPv4

Multicast IPv6 serve também para Broadcast

Anycast IPv6 – host que estiver mais próximo responde

Mascara de rede IPv6 indicada por “/” de 0 a 128 comprimento padrão /64

FE80::MAC > link local IPv6

MAC:FF:FE:MAC

A parte do host do último endereço do host conterá somente 1 bit com um 0 bit para o menor pedido ou o bit mais à direita. Esse endereço sempre é uma unidade menor que o endereço de broadcast. O intervalo de endereços para a rede 10.15.25.0/24 é 10.15.25.0 (endereço de rede) em 10.15.25.255 (endereço de broadcast). Assim, o último endereço de host dessa rede é 10.15.25.254.

A técnica de migração de tunelamento encapsula um pacote IPv6 dentro de um pacote IPv4. O encapsulamento monta uma mensagem e adiciona informações a cada camada para transmitir os dados sobre a rede. A conversão é uma técnica de migração que permite que os dispositivos IPv6 ativados se comuniquem com dispositivos de IPv4 ativos por meio de uma técnica de conversão semelhante ao NAT para IPv4. A técnica de migração de pilha dual permite que as pilhas de protocolos IPv4 e IPv6 coexistam na mesma rede simultaneamente.

Os servidores e periféricos são acessados geralmente por um endereço IP. Assim, esses dispositivos precisam de endereços IP previsíveis. Em geral, os dispositivos dos usuários finais têm endereços dinâmicos atribuídos. Os hubs não precisam de endereços IPv4 para funcionarem como dispositivos intermediários.

Os endereços de link local têm a relevância somente no link local. Os roteadores não encaminharão pacotes que incluam um endereço de link local como o endereço origem ou destino.

Esse endereço é um dos endereços atribuídos para multicast IPv6. Os pacotes endereçados para FF02::1 destinam-se a todos os dispositivos habilitados para IPv6 no link ou na rede. FF02::2 destina-se a todos os roteadores IPv6 existentes na rede.

Os endereços de link local são automaticamente atribuídos pelo sistema operacional e estão localizados no bloco 169.254.0.0/16. Os intervalos de endereços privados são 10.0.0.0/8, 172.16.0.0/12 e 192.168.0.0/16. Os endereços no bloco de 240.0.0.0 a 255.255.255.254 são reservados como endereços experimentais. Os endereços de loopback pertencem ao bloco 127.0.0.0 /8.

Um prefixo de /16 significa que 16 bits são usados para a parte da rede do endereço. A parte da rede do endereço é, portanto, 172.16.

Dois pontos em dobro: (:) podem substituir uma única sequência contígua de um ou mais segmentos de 16 bits (hextets) que consistem em 0s, e podem ser usados apenas uma vez por endereço IPv6. Todos os 0s (zeros) à esquerda em qualquer seção de 16 bits ou hextet podem ser omitidos.

FF02::1:FFAE:F85F é um endereço multicast solicited node.
2001:DB8::BAF:3F57:FE94 é um endereço unicast global.
FF02::1 é o endereço multicast all node. Os pacotes enviados para esse endereço serão recebidos por todos os hosts IPv6 no link local.
::1 é o endereço IPv6 de loopback.
Não há exemplos de link local ou endereços unique local.

O comando ping é utilizado para testar a conectividade entre hosts. As outras opções descrevem tarefas não executadas pelo ping. Executar ping no gateway padrão testará se o host é capaz de acessar hosts em sua própria rede e em outras redes.

O formato binário para 255.255.255.224 é 11111111.11111111.11111111.11100000. O comprimento do prefixo é a quantidade de valores 1 consecutivos máscara de sub-rede. Portanto, o tamanho do prefixo é /27.

A SLAAC (Stateless Address Autoconfiguration, configuração automática do endereço stateless) pode ser usada como alternativa para o DHCPv6. Nessa abordagem, o roteador fornece o prefixo de roteamento global, o tamanho do prefixo, o gateway padrão e informações do servidor DNS a um host. O host não recebe um endereço unicast global via SLAAC. A SLAAC sugere que o host crie seu próprio endereço unicast global com base no prefixo de roteamento global informado. O ARP não é usado no IPv6. As mensagens ICMPv6 são usadas pela SLAAC para fornecer informações de endereçamento e outras informações de configuração. EUI-64 é um processo pelo qual o host criará uma ID da interface com seu endereço MAC de 48 bits.

Segmentação da Rede (mascara)

Classe A /8 255.0.0.0 – 16777214 Hosts

Classe B /16 255.255.0.0 – 65534 Hosts

Classe B /24 255.255.255.0 – 254 Hosts

Redes muito grande tem problema com domínios de broadcast (muitas requisições)

Segmentação da Rede – é usada para reduzir as requisições de broadcast

divisão para uma subrede /24 (255.255.255.0)

primeira subrede – 192.168.0.0 /25 (end. rede) => 192.168.0.127 (end. broadcast)

segunda subrede – 192.168.0.128 /25 (end. rede) => 192.168.0.255 (end. broadcast)

Uma empresa com 7 departamento e 25 hosts precisa de uma subrede e qual seria?

2^5 = 30 hosts e 2^3 = 8 bits para rede — precisaria requisitar uma rede /24 e subdividir em /27

O benefícios é basicamente diminuir o desperdício e evitar o broadcast (variar a mascara de subredes)

Camada de transporte

Ela estabelece uma sessão de comunicação temporária entre duas aplicações e de transferir dados entre elas (origem e destino). Provem serviços como:

  • Suporte a fluxo de dados orientado a conexão
  • Confiabilidade – TCP/IP – é considerado um protocolo confiável e completo, que garante que todos os dados cheguem ao destino. UDP não.
  • Controle de fluxo – TCP tambem é um protocolo que prove controle de fluxo – segmentos não entregues acionam uma retransmissão, assim como tb controla o congestionamento na rede
  • Multiplexação – segmentação dos dados em blocos menores permite que vários tipos de comunicações, de diversos usuários, sejam intercalados na rede

Responsável por segmentar dados e reagrupar segmentos – Divisão dos dados em segmentos são mais fáceis de gerenciar e transportar. Tambem rastreia cada fluxo de conversa entre uma aplicação origem e uma aplicação destino separadamente. Garante que, mesmo com várias aplicações em execução em um dispositivo, todas as aplicações receberão os
dados corretos.

TCP – bancos de dados, navegadores web, clientes de e-mail.

UDP – Transmissão de áudio e vídeo ao vivo, VoIP (Voice over IP)

Camada Aplicação

É responsável por fazer a transferência dos dados entre usuário e computador (vice-versa), Protocolos conhecido como Http, Ftp, SMTP, DNS, DHCP, IMAP.

Interação dos procolos de aplicações – Cliente e servidor e Ponto a ponto.

DNS – resolver nomes através do IP

DHCP – distribuição de ip automaticamente – cliente solicita ao servidor (DHCPDISCOVER) – servidor responde com IP (DHCPOFFER) – cliente confirma (DHCPREQUEST) – servidor confirma (DHCPACK) – Os ip são atribuídos por 1 hora.