Categorias
Leia

Projeto de Redes e Dimensionamento de VLANs – CCNA – Modulo3

A camada de acesso oferece acesso direto dos usuários à rede. A camada de distribuição encaminha o tráfego de uma rede local para outra. A camada de núcleo oferece conectividade entre as camadas de distribuição para os grandes ambientes de LAN (backbone).

Os quatro switches de 48 portas têm um total de 192 portas de switch. Para conectar os quatro switches de camada de acesso aos dois switches de camada de distribuição, será necessário links de tronco (2 por switch de camada de acesso). Cada link de tronco é composto por duas portas de switch físicas agregadas nos switches de camada de acesso. Um total de dezesseis portas de switch é necessário para conexões de tronco aos switches de camada de distribuição, deixando 176 portas de switch para conexões de dispositivo final.

PoE ou Power over Ethernet permite dispositivo como pontos de acesso sem fio e telefones IP para receber alimentação do switch ativada por PoE.

Densidade da porta é o número de portas disponível em um único switch

Os roteadores de borda de rede fornecem interatividade, personalização e mobilidade ao cliente (clientes acessem conteúdos a qualquer hora e em qualquer lugar).  Os roteadores de filial fornecem configuração e gerenciamento de rede simples enquanto mantêm redes altamente disponíveis. Os roteadores modulares são usados para fornecer maior flexibilidade na qual as interfaces são usadas durante o projeto e a instalação da rede. Os roteadores do provedor de serviços fornecem soluções fim-a-fim escaláveis. Os clientes não acessam remotamente nem conectam diretamente a um roteador do provedor de serviços.

Uma conexão direta ao dispositivo disponibilizada pelo console ou portas AUX é necessária para o gerenciamento fora da banda. Ethernet ou conexões seriais podem ser usados para configurações na banda. O gerenciamento de dispositivos fora de banda é usado para a configuração inicial ou quando uma conexão de rede não está disponível. A configuração que usa gerenciamento fora de banda requer uma conexão direta a uma console ou uma porta AUX e um cliente de emulação de terminal.

O Protocolo Spanning Tree (STP) é necessário quando as redes comutadas incluem links redundantes de Camada 2. VLANs, VPNs e agregação de links não estão relacionados à redundância de links no projeto de rede.

Domínio de falha é a parte da rede que é afetada quando um dispositivo ou serviço falha ou apresenta problemas. Redundância é usada para fornecer soluções de failover, mas não se concentra na expansão da rede

Duas formas para ajudar a impedir interrupções da rede é usar equipamento duplicado e usar caminhos redundantes.

EtherChannel permite que mais dados sejam movidos na camada de acesso, mas não fornece expansão da rede. Os protocolos de roteamento não são usados para fornecer expansão da rede na camada de acesso. A conectividade sem fio oferece acesso à rede para um grande número de usuários na camada de acesso.

Contenção de  Tráfego de Transmissão é uma função benéfica de um roteador

Switch Virtual Interface (SVI): uma interface virtual que representa uma determinada VLAN
Os switches de camada 2 podem executar o roteamento estático, mas esse método é ineficiente com um grande número de VLANs. A comutação multicamada é mais escalável do que qualquer outra implementação de roteamento entre VLANs, com o tráfego sendo roteado internamente para o switch. Em um roteamento router-on-a-stick entre VLANs, no qual uma única interface física roteia o tráfego entre várias VLANs em uma rede, não há escalabilidade prática. O roteamento legado entre VLANs é muito ineficaz e não é mais usado em redes comutadas, pois cada VLAN exige uma interface física de roteador que esteja conectada a uma porta física diferente do switch .
O intervalo de VLANs estendidas comporta VLANs de 1006 a 4094, é salvo na configuração em execução (não no arquivo vlan.dat) e não é transmitido em atualizações de VTP.
VTP fornece gerenciamento centralizado das VLANs em um ambiente de vários switches. Os nomes dos domínios de VTP diferenciam maiúsculas de minúsculas
Switchport o parâmetro pode ser adicionado ao comando show interfacesinterface_id para exibir o modo de interface do switch administrativo e operacional. Os switches em modo transparente retransmitem informações do VTP a outros switches no mesmo domínio, mas não mudam qualquer uma das próprias informações de VLAN.

 

Para permitir que uma configuração router-on-a-stick funcione, um switch deve ser conectado ao roteador via uma porta trunk para transportar as VLANs a serem roteadas. Um SVI seria usado em um switch multicamada em que o switch executa o roteamento entre VLANs.

Se um switch com um número de versão maior é conectado a um domínio do VTP, as VLANs válidas podem ser excluídas porque as VLANs no switch com o número de revisão maior são propagadas pelo domínio do VTP.

O DTP é um protocolo proprietário da Cisco. Os switches que não são Cisco não suportam DTP.

Router-on-a-stick é o mesmo que ter uma interface com trunk entre o roteador e o switch, mas não é escalável porque todas as VLANs devem passar por uma única conexão entre o roteador e o switch. As várias interfaces físicas no roteador seriam mais rápidas do que o projeto router-on-a-stick, mas um roteador tem um número limitado de interfaces físicas. Os switches da camada 3 com o roteamento ativado têm mais portas Ethernet, bem como mais capacidade de roteamento.

Switches Meraki são de acesso gerenciados por nuvem que permitem o empilhamento virtual de switches.

no switchport – cria uma porta roteada para apenas uma rede, é usado geralmente é uma porta de switch e liga a outro switch