Categorias
Leia

Estudos para Certificação Cisco Roteadores e Switchs – CCNA – Parte2

IOS – sistema operacional dos roteadores ciscos e permite que os usuário interajam

ROTEADOR LOCAL – Para os hosts acessarem as redes remotas, devem enviar o tráfego a um roteador local que possa rotear o tráfego na rede destino correta. Esse roteador local é conhecido como gateway padrão e os hosts devem ser configurados com este endereço para se comunicarem com dispositivos em redes remotas.

Sobre Cisco CLI – comand line interface – Um nome de host pode ser configurado com caracteres maiúsculos e minúsculos e deve terminar com uma letra ou um dígito, e não um caractere especial. Um nome de host deve começar com uma letra e não conter espaços.

Sobre Cisco IOS CLI – A ajuda sensível ao contexto fornece ao usuário uma lista de comandos e os argumentos associados a esses comandos no modo atual de um dispositivo de rede. Um verificador de sintaxe fornece verificações de erro em comandos enviados e a tecla TAB pode ser usada para concluir um comando se um comando parcial for inserido.

Sobre os comandos do IOS – usar TAB para completar comandos

Sobre o modo EXEC usuário – ele limita o acesso a alguns comandos show e debug. É o primeiro nível da interface de usuário durante a configuração de um roteador e destina-se à investigação de certas funções do dispositivo. O prompt do modo EXEC usuário é identificado com um símbolo “>”. comando enable entra no modo privilegiado com o simbolo “#”. Comando configure terminal – entra no modo de configuração global com o simbolo “router (config)#”. Sair dos modos, comando exit. Comando end – volta direto para o modo privilegiado

Os sistemas operacionais funcionam com uma shell, um kernel e o hardware. A shell faz interface com os usuários para que eles possam requisitar tarefas específicas ao dispositivo. O kernel provisiona recursos do hardware para atender aos requisitos de software. O hardware funciona por meio de drivers e seus componentes eletrônicos subjacentes. O hardware representa os componentes físicos do dispositivo.

O SSH é o protocolo preferencial para conexão com o sistema operacional de um dispositivo na rede porque é bem mais seguro que Telnet. Tanto SSH quanto Telnet são usados para conexão com dispositivos na rede, e ambos são usados em banda. PuTTY e Tera Term podem ser usados para as conexões SSH e Telnet.

A conectividade entre dois dispositivos finais pode ser testada com os comandos pingtracert ou traceroute.

Todos os dispositivos que se comunicam por redes de dados precisam de endereços IP exclusivos.

As alterações nas configurações de roteador e switch são aplicadas assim que o comando é inserido. Por isso, é muito importante que as alterações nos dispositivos ativos de produção sempre sejam planejadas com atenção antes de serem executadas. Se os comandos inseridos deixarem o dispositivo instável ou inacessível, o dispositivo talvez tenha de ser recarregado, resultando em tempo de inatividade da rede.

Geralmente, as alterações são feitas na configuração atual em RAM e copiadas para a NVRAM (Ram não volátil). No entanto, neste caso, convém que o técnico copie uma configuração salva anteriormente da NVRAM para a RAM para efetuar alterações nela. O comando copy startup-config running-config – é usado para para copiar uma configuração existente para a RAM – Salvar configuração no modo enable – wr ou copy running-config startup-config

Para evitar que todas as senhas configuradas apareçam em texto simples nos arquivos de configuração, um administrador pode executar o comando service password-encryption . Esse comando criptografa todas as senhas configuradas no arquivo de configuração.

A atribuição automática de endereços IP usando o protocolo DHCP terá grandes chances de eliminar erros de endereço IP duplicado.

O acesso às interfaces VTY e de console pode ser senhas de uso restrito. O gerenciamento fora de banda do roteador pode ser os modos EXEC e EXEC privilegiado.

SVI –  Para que um switch tenha um endereço IP, uma interface virtual de switch deve ser configurada. Isso permite que o switch seja gerenciado remotamente através da rede.
switch layer 3 (mais caros) – são switch  que conectam outros switch, porque hardware e softwares não melhores  do que os switch layer 2 (mais baratos) que são usados para conectar equipamentos finais.
comando – show ip interface brief – mostra as interfaces

modo configurar interface – interface gigabitEthernet 0/0

configurando interface do Switch

SwitchTeste(config)# interface gigabitEthernet 0/0

SwitchTeste(config-if)# ip address 192.168.1.1 255.255.255.0 (inserir IP/Mascara)

SwitchTeste(config-if)# no shutdown (habilitar interface)

Mudar nome do Switch – hostname SwitchTeste

de qualquer modo para ver a configuração das interface o comando é do show ip interface brief

SENHA nos modos EXEC

acesso ao modo – line console 0

Comandos  password (ou secret) 123 e logo apos login

Senha SSH TELNET

acesso ao modo – line vty 0 15

Comandos password (ou secret) 123 e logo apos login

Senha para acesso ao modo enable – RCISCO(config)# enable password 123

show running-config – ver a configuração a partir do modo privilegiado

reload – reinicia o aparelho